Por que antibióticos exigem prescrição médica?

Os antibióticos são remédios destinados ao combate de infecções causadas por bactérias, como pneumonia, tuberculose e doenças sexualmente transmissíveis. Eles não têm efeito no tratamento de infecções virais, como gripe ou resfriados.


No balcão da farmácia, no entanto, nem todo consumidor entende essa diferença e sai frustrado por não poder levar o medicamento.


Infecção por vírus x infecção por bactérias


A diferença entre os dois tipos de infecção já está na nomenclatura: infecções virais são causadas por vírus e bacterianas, por bactérias.


Porém, é de suma importância identificar o agente causador da doença para que o médico possa indicar o melhor tratamento.


Tanto as bactérias, quanto os vírus são microrganismos minúsculos, impossíveis de serem vistos a olho nu. A diferença é que as bactérias podem sobreviver sozinhas, seja dentro ou fora do nosso corpo.


Já os vírus precisam de um organismo hospedeiro para sobreviver e se multiplicar. Quando eles entram e se instalam no nosso corpo, os sintomas logo aparecem.


Por que não consigo comprar antibiótico sem receita?


Desde 2010, por meio da Resolução RDC 44, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), determinou que farmácias e drogarias são proibidas de vender antibióticos sem receita médica. A medida foi tomada para inibir a automedicação.


Cada vez que um antibiótico é utilizado sem necessidade ou para tentar curar uma doença causada por vírus ou fungos, existe a possibilidade de as bactérias criarem resistência ao fármaco e sobreviverem no organismo. Elas podem adquirir imunidade e se reproduzir. É aí que surgem as superbactérias, microrganismos altamente perigosos para a nossa saúde.


A partir dessa mutação genética, as superbactérias são capazes de ignorar os efeitos dos remédios, levando o indivíduo à morte.


O fato é que todo tratamento com antibióticos aumenta as chances do desenvolvimento de bactérias mais poderosas e, por isso, seu uso deve ser regulado, com prescrição feita quando é estritamente necessário e retenção da receita na farmácia.


Perigos da automedicação


Tomar remédios por conta própria, sem orientação de um médico ou profissional de saúde, pode acarretar inúmeras consequências.


Além da superbactéria, que citamos acima, o paciente que se automedica pode desenvolver reações alérgicas, intoxicação e dependência. Em alguns casos, o uso de um remédio incorreto pode agravar uma doença e levar o indivíduo à morte.


Outro problema da automedicação e o fácil acesso aos medicamentos é o mau hábito de acumular remédios em casa. A partir desse comportamento, não são raras as confusões entre medicamentos, ingestão de substâncias fora da validade, armazenamento inadequado e ingestão acidental por idosos e crianças.


Por isso, antes de tomar qualquer medicamento, busca ajuda médica. Vá a um posto de saúde ou marque uma consulta particular. Se automedicar pode ser prejudicial para a saúde de todos. Fique atento!


Mais conteúdo


Se quiser saber mais sobre medicamentos e tirar dúvidas sobre saúde, acompanhe a série “Palavra do especialista” no IGTV da Central Genéricos. É só seguir nosso perfil no Instagram - @centralgenericos – e acompanhar.

14 visualizações

Posts recentes

Ver tudo