Julho Amarelo: mês de luta contra as hepatites virais

Criado em 2010 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Dia Mundial das Hepatites Virais se tornou uma importante campanha de conscientização sobre doença. No Brasil, o Julho Amarelo existe desde 2019 e visa informar a população sobre os vários tipos de hepatites virais através de ações educacionais.


Os tipos mais comuns de hepatites virais são B e C, que hoje atingem cerca de 325 milhões de pessoas no mundo todo. De acordo com informações da OMS, entre as doenças infecciosas esta, é a segunda maior causa de morte, atrás apenas da tuberculose. Para se ter uma ideia, as hepatites virais infectam 9 vezes mais pessoas que o HIV.


O que muitos não sabem é que a hepatite pode ser evitada, tratada e até curada, no caso da hepatite C. A campanha do Julho Amarelo serve, principalmente, para que as pessoas infectadas entendam os sintomas e busquem os serviços de saúde para testagem e tratamento.


O que são hepatites virais


Hepatite é uma inflamação do fígado, que pode ser causada por uso de medicamentos, álcool, drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas.


Os sintomas nem sempre são aparentes, porém, quando ocorrem, estão ligados a cansaço, febre, tontura, mal-estar, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.


As hepatites virais, objeto da campanha em questão, são causadas por vírus classificados pelas letras: A, B, C, D e E.


Conheça os tipos de hepatites virais e saiba como prevenir


Hepatite A


Está relacionada a condições de saneamento básico e higiene. Embora já exista vacina, é o tipo com maior número de casos, com infecção leve e que se cura sozinha.


Prevenção


  • A principal medida de prevenção é a vacina, que é segura e eficaz;

  • Lavar as mãos com frequência após o uso do sanitário, trocas de fraldas e antes de preparar os alimentos;

  • Alimentos que são consumidos crus devem ser lavados com água tratada, clorada ou fervida, deixando-os de molho por 30 minutos;

  • Mariscos, frutos do mar e peixes devem ser muito bem cozidos;

  • Não tomar banho ou brincar próximo a valões, riachos, enchentes ou perto de onde haja esgoto a céu aberto;

  • Evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios;

  • Higienizar as mãos, genitália, períneo e região anal, antes e após as relações sexuais, além do uso de preservativos.

Hepatite B


Maior transmissão por contato sanguíneo ou por via sexual. Além da vacina, o uso de preservativo é indicado para a prevenção da doença.


Prevenção


  • Todas as relações sexuais devem ser com uso de preservativo;

  • Não compartilhar, sob nenhuma hipótese, itens de uso pessoal, como lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure e pedicure, equipamentos para uso de drogas, confecção de tatuagem e colocação de piercings;

  • Mulheres grávidas devem fazer o teste de hepatite para evitar a transmissão vertical, quando a mãe passa para o bebê.


Hepatite C


O contato com sangue é a principal forma de transmissão. Como não tem vacina, a hepatite C é a maior causa de transplantes de fígado, podendo causar cirrose, câncer de fígado e morte.


Prevenção


  • Não compartilhar qualquer objeto que possa ter tido contato com sangue, como seringas, agulhas, alicates de unha, entre outros;

  • Uso de preservativos em todas as relações sexuais;

  • Mulheres grávidas devem fazer o pré-natal e exames para detectar as hepatites B e C, HIV e sífilis. Se o resultado for positivo, é necessário seguir todas as recomendações médicas.


Hepatite D


É causada pelo vírus VHD, que ocorre apenas em pacientes infectados pelo vírus da hepatite B. Quem se vacina contra a hepatite B também está protegido de uma infecção por hepatite D.


Prevenção


  • A melhor prevenção é a vacina contra a hepatite B.


Hepatite E


Infecção causada pelo vírus VHE. É transmitida por via digestiva (transmissão fecal-oral), e é considerada uma epidemia em determinadas regiões. Mulheres grávidas que são infectadas pela hepatite E podem apresentar formas mais graves da doença.


Prevenção


  • Como é um problema relacionado à higiene, a melhor forma de evitar a contaminação é com melhores condições de saneamento básico.


Mesmo com todos os avanços, as hepatites virais ainda são um problema de saúde pública. O Sistema Único de Saúde (SUS), disponibiliza todas as vacinas existentes, além de testes rápidos para o diagnóstico. As unidades de saúde possuem exames de triagem para hepatites B e C, com resultado em até 20 minutos, além de orientações para mulheres grávidas ou em idade fértil para prevenção e tratamento.


Informe-se. As hepatites virais podem ser tratadas, principalmente, se forem descobertas precocemente.


Central Genéricos online


Para ter mais dicas de saúde, siga a Central Genéricos nas redes sociais, acompanhe nossos vídeos e receba informação de qualidade.

38 visualizações

Posts recentes

Ver tudo